Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Nocas

"To live is the rarest thing in the world. Most people exist, that is all." —Oscar Wilde

Nocas

"To live is the rarest thing in the world. Most people exist, that is all." —Oscar Wilde

primeiro dia (parte um)

A minha primeira semana em Frankfurt (Oder) pode bem ser resumida numa só palavra: pânico. 

 

Tudo começou no primeiro dia, na viagem entre Hamburgo (onde aterrei) e Frankfurt. O plano era simples: apanhava o comboio até Berlim e aí trocaria para um que me levaria ao tão desejado destino. O bilhete fora comprado umas semanas antes, de forma a assegurar um preço adequado ao orçamento que tinha disponível para a viagem, e era acompanhado por um documento com informações acerca do itinerário, nomeadamente, as estações de embarque e desembarque e as respectivas horas de partida e chegada e plataformas. Era claro, pensava eu: apenas teria de trocar uma vez, em Berlim.

 

Mas claramente, não era assim tão claro. Após sair em Berlim, dirigi-me à plataforma onde apanharia então o comboio para Frankfurt. No documento estava implícito que não era necessário trocar novamente, pelo que não me preocupei em verificar onde Fürstenwalde (estação-destino do comboio) era. Assumi que era após Frankfurt. Assumi mal. Quando dei por mim, tinha chegado a Fürstenwalde e sem sinal de Frankfurt. Tinha a certeza que nenhuma das estações pelas quais o comboio tinha passado era Frankfurt. E tinha a certeza que, onde eu estava, não era Frankfurt. 

 

Estava em pânico. Estava frio, era de noite e sabia que não chegaria no comboio que era expectável chegar. Mandei mensagem ao meu namorado (que é alemão), mas nada. Provavelmente, ainda estava no comboio e sem rede, pensei eu. Pensei mandar mensagem às pessoas da instituição de acolhimento, mas sabia que provavelmente receberia uma resposta em alemão, o que não me ajudaria nesse momento. Tentei então perguntar a alguém na estação. Ninguém falava inglês, pelo que o meu alemão (cof cof) teria de ser suficiente. Sabia dizer o nome da cidade para onde queria ir, plataforma (porque estava escrito no documento do itinerário) e os números.

 

Foi suficiente e, ainda que atrasada, cheguei a Frankfurt.